“Páginas são asas dos pensamentos” PCampos

Rio de Salto

O burburinho das águas diz tudo...se prestar atenção irá escutar a fotografia...

Paulo Peixoto de Campos

“O Livro livra”


Páginas são asas no revoar dos pensamentos…
…um livro bom atravessa tempos…
…o livro livra enquanto livre…
…prende só a atenção de quem aprende…
…e assim liberta, sem fim amplia, vive…
…e leva leve longe,
breve-longa distância…
…depois de lido,
então bem-vindo…
…ao ser fechado não se fechando,
à alma abrindo!!!

“Lúdico”

Paulo Peixoto de Campos

 

Pipas, papagaios, arraias ou pandorgas

são poesias de uma mesma canção…

Piões rosqueando nas palmas-das-mãos

que se dão e dão-nos ao chão,

rabiscando com rimas quase silenciosas

tantos desenhos

nos recônditos da imaginação…

Lugarejos, arraiais que nos vivem escondidos,

recolhidos nos cantos do coração…

Bola-de-meia,

que estufa a rede parecendo uma teia!

Bola-de-gude, de sã inquietude!

Chute bem dado é o que pega na veia!

Lúdico, não é o que ilude.

Nisso sim, creia!

Amarelinha

Prof. Paulo Peixoto de Campos

 

Quando eu era pequeno achava tudo longe, tudo muito grande! O mundo é muito grande quando somos pequenos e ainda temos pernas curtas… Mas enquanto crescemos sem  ficar parados, os passos vão se abrindo, os pulmões vão se expandindo, o coração evoluindo e as distâncias vão diminuindo!

O mundo pode até ficar pequeno quando a gente vira “gente grande…” É só reparar como as vezes pessoas mais vividas encontram alguém conhecido em algum lugar que nunca imaginaram encontrar e dizem: “Nossa, como esse mundo é pequeno”!

Quando é criança e a gente brinca se movimentando, sem perceber, se divertindo vai também se condicionando fisicamente e se tornando atleta desde cedo, de uma forma natural: seja jogando futebol, vôlei ou queimado(a), pulando corda, ”carniça” ou amarelinha, correndo no pique-tá, no pique-bandeira, andando de bicicleta… E em tantas outras brincadeiras, mesmo sem ter muita noção dessas coisas, sem se preocupar com isso, a gente nem vê que é ali (ou lá!) na infância que já se começa uma vida esportiva.

Quase ninguém pára pra pensar que quando está com mais ou menos fôlego é porque, provavelmente, está treinando, ou melhor, brincando menos! Desse modo, crescendo e sempre brincando, é que surge um grande atleta!

Então correr nas Olimpíadas um revezamento de 4 por 100 metros rasos ou 4 por 400 metros é bem parecido com um pique-tá, não é mesmo? Qualquer corrida importante é a mesma coisa que “apostar” corrida com um colega até a esquina ou no recreio do colégio, num condomínio… Em qualquer lugar! Ou alguém ainda se ilude pensando que Olimpíada é mais do que isso?! Porque vencer uma corrida até a esquina também é uma glória!

…E o salto-triplo, também pode lembrar uma grande amarelinha… E o salto em altura? Talvez seja igual a pular “carniça” sem usar as mãos!

Ah! Esporte com bola nem se fala! Futebol é futebol mesmo, em qualquer parte do mundo um campinho de “pelada” tem o mesmo valor de um grande estádio! Handebol, vôlei, basquete também… Qualquer quadra, mesmo improvisada, ou um quintalzinho é tão grandioso quanto o Coliseu!

Quase todos os esportes surgiram como brincadeira… Quando năo foram inventados por uma necessidade. Como é o caso da natação que foi instintivamente criada por algum povo primitivo através do nado livre para atravessar rios ou trechos de mar; a canoagem também, que veio trazendo o remo. Ainda o arco-e-flecha e a lança (que praticamente é o dardo de hoje no atletismo) surgiram para a caça e a pesca pelos povos primitivos e também para a sua proteção contra grandes animais, muito antes de serem usados em guerras.

Bicicleta, primeiro surgiu como um maravilhoso veículo de locomoção, depois é que vieram as competições de ciclismo.

A ginástica artística é uma brincadeira completa, igual a subir no Trepa-trepa, se pendurar em árvores, dar cambalhotas e estrelas, “plantar bananeira” e por aí vai…

Todos os grandes esportes são assim: fazem parte da cultura de algum povo e depois vão sendo conhecidos por pessoas de outros lugares, povos de outras culturas que o absorvem.  Dessa maneira um esporte se propaga pelo mundo até chegar a ponto de ser disputado em um campeonato mundial e nas Olimpíadas.

Vários esportes olímpicos de hoje começaram em uma aldeia, num gueto, num arraial até se alastrarem por outros lugares e ganharem tamanha importância.

Assim o grande atleta se prepara desde bem cedo sem nem perceber, a partir das brincadeiras na infância, em suas primeiras disputas na rua, no colégio, num quintal, numa pracinha, numa aldeia… Até chegar a disputar uma Olimpíada ou um campeonato mundial.

Portanto, não podemos esquecer nunca (mesmo que muitos teimem e levem tão a sério esse negócio de esporte!) de que tudo na verdade não passa mesmo de uma grande e divertida brincadeira!

Cooperação e Solidariedade!

Prof.Paulo Peixoto de Campos- Ed. Física/Meio-ambiente.

 

Muito se fala hoje em construirmos um mundo melhor!

O único caminho para isto é diminuirmos o egoísmo que hoje todos temos, alegando as dificuldades na vida atual e só nos preocupando em nos salvar; muitas vezes esquecendo que a sociedade é o próprio meio-ambiente do qual tanto falamos e que necessitamos urgentemente preservar. Para isto, antes de tudo, precisamos desenvolver a cooperação e a solidariedade em todos os sentidos e situações da vida, senão cada vez mais tornaremos impossível a nossa convivência e sem dúvida acabaremos com o “nosso” planeta ou ele, antes, acabará com todos nós!

 

.Cooperação :

 

Atuar juntamente com outros para alcançar um objetivo comum a todos; contribuir com trabalho, trabalhar junto, fazer esforços para ajudar alguém ou ao grupo, auxiliar a alguém ou ao grupo; colaborar, ajudar para fazer acontecer algo para alguém de nós e para o grupo. Não pensar só em si.

 

Exemplos de situações de cooperação na comunidade:

-Os atores cooperaram com o diretor para o sucesso da peça.

Vamos cooperar para a limpeza da cidade.

A população cooperou muito durante a calamidade.

 

Exemplos de cooperação no esporte e nos jogos:

-O jogador ajudou o seu time na marcação.

-O atleta cooperou com a sua equipe ao tocar a bola

para seus companheiros.

 

.Solidariedade:

 

Cooperação ou assistência moral que se manifesta ou testemunha a alguém, em quaisquer circunstâncias (boas ou más); estado ou condição de duas ou mais pessoas que dividem igualmente entre si as responsabilidades de uma ação, respondendo todas por uma e cada uma por todas; responsabilidade, interdependência. Entender a dor do outro com a dor que você também poderia ter.

 

Alguns exemplos de atitude solidária no dia a dia:

– Ajudou o cego a atravessar a rua e comprou um doce que ele vendia.

– Apanhou no chão a moeda para a velhinha e sorriu para ela.

– Ajudou a senhora a carregar a sacola.

– Chegou no lugar e sorriu, disse bom dia e

se despediu falando gentilmente: ‘até logo’ !

 

Alguns exemplos de solidariedade no esporte e nos jogos:

-Não hesitou em ser solidário com o adversário machucado e pediu para

o árbitro parar o jogo.

-Ajudou o adversário que tinha caído a se levantar.

-Concordou que havia feito o gol em posição de impedimento.

-Pediu que sua própria torcida não vaiasse ao time visitante.

-Confessou que a bola havia saído, com tranqüilidade.

Há tantos outros bons exemplos de cooperação e solidariedade

que de certo quem quiser realmente ajudar, saberá fazê-lo.

 

Conclusão:

 

Como podemos perceber as palavras cooperação e solidariedade se misturam nos seus sentidos, são muito parecidas justamente porque uma coopera e é solidária com a outra e vice-versa!

Este texto serve para refletirmos em como podemos participar mais e com mais consciência para termos todos uma vida melhor e criarmos um meio-ambiente (e ambiente!) bom de se viver, mais harmonioso.

 

“Gentileza gera gentileza!” (do Profeta Gentileza).

“Se tudo for olho por olho e dente por dente:

ficaremos todos cegos e banguelas!”

(provérbio oriental).

Educação Física de verdade!

Prof. Paulo Peixoto de Campos

                             Tantas são as áreas e os caminhos da Educação Física que sua importância tamanha vai muito além “do que podem sonhar essas vãs filosofias”!

         A face sedutora da mídia (rádio, televisão, jornal, internet, etc.) se prostitui e a todos tem prostituído como se fosse o melhor “programa” não pensar muito e jogar uma bolinha, ver um jogo ou dar uma “malhada” tomando uma “bomba” para ficar sarado; zoar para só se distrair, e ir se distraindo o tempo todo para não refletir… Pensar pouco!

         Com isso, essa mesma mídia, sem nos falar nada de mais profundo, vai calando-nos e nos calando, justamente por não nos dizer nada que acrescente algo de bom, nos chama a todos de idiotas!

         Não é que não possamos curtir um joguinho com os amigos; não é que não devamos fazer nossa ginástica, não é isso, muito pelo contrário; mas já percebemos que há muito mais na vida do que só isso!

 Hoje vemos nossos ídolos do esporte atuando tanto em outros “campos” se tornando garotos-propaganda, quase como se fossem garotos de programa, que vendem e se vendem como produtos e nos compram a opinião de forma tão barata, porque estamos tão pobres. Assim vamos ficamos paupérrimos, miseráveis não só de dinheiro, pobres de tudo, inclusive de espírito e caráter! Que valores nos passam? Só o valor dos valores-financeiros que tanto têm nos desvalorizado como seres humanos! Até no jogo coletivo só se fala em individualismo, são individualidades nos dividindo! Todos querendo ser o número 1, mas só há um número 1! Que mundo é esse, que competitivamente perverso, estamos cada vez mais criando…?

         Tantas são as áreas da Educação Física, com benefícios não apenas para a estética e nem só para enriquecer uns poucos pelo desporto (é bom separarmos esporte de desporto)! Esquecemos que o esporte vem do jogo, que é lúdico, recreativo e cultural!

O laser virou guerra? Então por que nos espantarmos tanto quando logo após incentivarmos o nosso time a parar uma jogada com falta ou aplaudir um gol ou ponto ilegal, vemos um filho ou amigo sendo digladiado pela torcida do time oponente? É, perdemos um bocado do bom senso nos últimos tempos… 

Sim podemos torcer e apreciar toda a beleza da plástica desportiva; mas será só para aplaudirmos atletas, e atletas serem cobaias, que estamos aqui? Só para ver até onde o homem vai e o quanto corre…?

         Há coisas bem mais importantes e também interessantes para a vida através da Educação Física do que só o entretenimento e a ilusão de que o esporte por si só salva (vide Maradona e o problema que teve com dependência química, isso para citar um “bem-sucedido”; e quando o cito, fica nítido que devemos separar esporte de desporto, ou seja, mostrar que lazer e vida saudável são contrários à competição espartana, doentia, exagerada que vemos, vivemos e até aplaudimos)!

Necessitamos de uma mentalidade em Educação Física como realmente transformadora da vida de todos e não só de uns poucos; que seja realmente social!

         Saibamos que Educação Física, muito além dessas disputas que nos torna “gladiadores modernos”, é uma atividade intelectual e histórica, que está e sempre esteve relacionada a todas as questões da humanidade, que pode ser muito mais prática, socialmente, para todos do que apenas uma prática física!

         Educação Física é cultura pura: está na Medicina como prevenção e reabilitação; na Psicologia – com a psicomotricidade no desenvolvimento global e na recreação; na História – desde os nômades, na cultura dos jogos; e Geografia – em tantas regiões e seus regionalismos por todo o planeta; nas Artes – associada aos movimentos e plásticas múltiplas; Sociologia – em toda a sua relação com a sociedade; na Antropologia, Nutrição, Fisioterapia, Literatura, Gramática e etc. junto a todas essas áreas, participando desde os primórdios da evolução da espécie humana. Mesmo que não nos déssemos conta disso, tudo isso sempre foi e é Educação Física! 

 Educação Física está associada a todas as matérias da escola e da escola da vida! Não, Educação Física não é mais que nenhuma destas, é tanto e tão importante quanto todas elas! E tanto quanto toda a área, também tem seu compromisso profissional, assim como Divino, de se utilizar (ser útil!) para a humanidade, não só para si e nem para pequenos “clãs”!

         Educação Física não é doutrina, é algo intelectual! Cultura de transformação! Tanto quanto o físico é o exercício mental buscando sempre uma saúde integral, o ideal que na verdade, é a única forma de sermos realmente saudáveis!

Pois Educação Física é, antes de “Física”, Educação!

Freqüência Cardíaca

Noções básicas de

FREQÜÊNCIA CARDÍACA (FC)

 

Freqüência Cardíaca (ou simplesmente FC) é a nossa pulsação, o ritmo com que funciona o coração, os seus batimentos.

Mede-se a FC, manualmente ou mecanicamente com o aparelho chamado monitor cardíaco (também chamado de freqüencímetro). Manualmente verificamos a FC de maneira bem simples: colocando os dedos indicador e médio unidos sobre o pulso (onde passa a artéria Radial) ou no pescoço (no ponto onde tocamos a artéria Carótida), lembrando que não podemos utilizar o polegar, pois este (o polegar) também possui uma pulsação, o que pode confundir a contagem da FC. O tempo total de contagem da pulsação (FC) é de um minuto e por isso o resultado dessa contagem é chamado de bpm (que significa batimentos por minuto); no entanto para medirmos a FC e termos o bpm, não precisamos marcar a contagem durante um minuto: basta contar durante 6 (seis) segundos e multiplicar por 10(dez) ou contar durante 10(dez) segundos e multiplicar por 6(seis) ou ainda marcar durante 15(quinze) segundos e multiplicar por 4(quatro) que em todos os casos teremos no resultado uma contagem final igual à de 1(um) minuto; no entanto utilizamos mais a contagem de 15 segundos multiplicados por 4 pois é tão segura quanto ao resultado final  como se contássemos durante um minuto completo.

Temos várias formas de verificar o ritmo dos batimentos do coração e a sua capacidade de pulsar através da FC: podemos ter a FC de acordo com um momento de esforço (máximo ou não), na recuperação de um esforço, em repouso, ou logo ao despertar. Através da FC podemos avaliar de uma maneira bem simples a boa ou má condição física (principalmente cardio-respiratória) de uma pessoa.

                                            

                                                As formas de medir a FC são:

 

– FC basal: é a FC verificada logo ao acordar.

 

– FC de repouso: é a FC verificada com a pessoa estando realmente em estado de repouso, preferencialmente sentada ou deitada e a algum tempo sem se movimentar.

 

– FC de esforço (ou exercício): que é a FC medida imediatamente após parar um esforço ou durante o esforço (neste segundo caso utilizando método eletrônico).

 

– FC de recuperação: é medida após um minuto de encerrado o esforço; esta FC é de suma importância, pois a verificação do nível de recuperação ao esforço nos mostra a capacidade do coração e a boa ou má condição física.

 

– FC máxima: que é calculada na pequena fórmula de 220 menos a idade da pessoa, o resultado final da conta simples nos dá o número da FC máxima que indica até qual número de batimentos o coração dessa pessoa pode funcionar. Passar desse limite torna-se um risco até a mesmo à vida.

 

Exemplo de como vemos a FC máxima: Para uma pessoa com 50 anos de idade, simplesmente fazemos a conta de 220 – 50 = 170 bpm; sendo assim 170 batimentos é o limite de pulsações por minuto que o coração desta pessoa suporta. E isto vale para qualquer pessoa, até mesmo para um atleta, pois logicamente um atleta bem treinado para atingir uma FC máxima terá que fazer um esforço absurdo, já que sua FC tende a não subir com a mesma facilidade que a FC de um não atleta.

Observação: Há detalhes do funcionamento do coração percebidos através da FC, como a bradicardia (que é batimento abaixo de 60bpm em repouso), a taquicardia (batimentos acima de 100bpm em repouso) ou o pulso irregular que é a variação do ritmo da pulsação numa contagem.

Como reconhecer um AVC

Amigos,

Eis um texto importante que circulou na Internet e que pode ajudar em algum momento emergencial!

 

Como reconhecer quando uma pessoa está sofrendo

um AVC (Acidente Vascular Cerebral),

também conhecido como Derrame Cerebral:

 

 

Apenas três procedimentos muito simples podem salvar uma, e muitas vidas!

 

Se você nota que uma pessoa está descoordenada, com comportamento motor confuso, tropeçou facilmente ou algo assim, peça para ela:

1.Sorrir

2.Levantar ambos os braços

3.Pronunciar alguma frase do tipo:”o dia está ensolarado e por isso faz calor”

 

Atenção: Se a pessoa apresentar qualquer dificuldade mesmo que seja em um desses três itens, chame ou a leva até um atendimento médico, pois ela pode estar sofrendo um Acidente Vascular Cerebral.